terça-feira, 10 de junho de 2014

Pausa para a poesia de Alguém - Nós (sobre)vivemos

Este poema não é meu, nem sei ainda quem o escreveu, faz parte do festival de escrita em que estou a participar.

Está no Asas, porque é muito bom! Faz-se boa poesia neste país! 

" No meu devaneio és eterno e destemido.
Vens lentamente na noite, que se faz demasiado curta para nós,
que não respeita o que temos para trocar.
Não lhe importa que tenhas que afagar cada milímetro,
para que a sintonia seja só nossa,
para que me faças sentir tua.
Não somos exigentes, apenas queremos tudo.
Consomes-me com toda a raiva que me tens,
Afogas os meus gritos dilacerados na tua boca.
E os nossos caminhos são quase paralelos.
E como tudo o que tem que ser na vida:somos uma sombra do que fomos.
Quando o sol está alto,
as sombras de nós fazem-se maiores que a vida,
constroem-se gigantes sem esperança. 
Voltar ao destino custa, dói por dentro, mói a alma;
Esbate o sorriso, fraqueja o ímpeto, dilui o desejo.
Nós… (sobre)vivemos."