domingo, 7 de setembro de 2014

Pausa para a poesia - Meu amor, "Havemos de nos encontrar à porta do Arco-Íris"

Desisti de ralhar com a vida, a vida é tão breve.
Desisti de querer ser à força, alguém que não sou e não gosto,
Desisti de pessoas, porque elas me atrasavam o passo, sempre tive urgência
Desisti de amar, porque o amor está gasto e não é como eu o imaginei.

Aprendi a dar valor a tudo, até ao facto de me sentir leve,
Aprendi que nada é mais importante que eu, e eu não sou só o que mostro
Aprendi que o sonho está dentro de mim, e pouco me importa a audiência,
Aprendi que eu sou única, e ninguém dará da maneira, como eu um dia dei.

Vivi, porque descobri as minhas entranhas mais escondidas
Vivi, porque desci ao fundo de mim, vivi porque escolhi viver.
Vivi, tudo o que é do meu direito. Aquelas cartas foram ao fogo, estão ardidas.
Vivi, porque foi para isso que cá vim.

Morri, mas não deixei nada por dizer, nem por fazer, nem por beijar
Morri, porque os sonhos se cumpriram,
Morri, porque a minha vida foi, o que eu quis que fosse,
Morri, mas deixei alguém com um pedaço do que eu quis lembrar

Morri,

Meu amor “Havemos de nos encontrar à porta do arco-íris”.