quarta-feira, 12 de novembro de 2014

O primeiro livro - A Soma das Partes

Olá meus doces

Antes de mais, muito obrigado a todos aqueles que de uma forma ou de outra  manifestaram interesse em relação ao livro que vos falei, na semana passada.

Os dias agressivos que vivemos estão a trucidar as artes, isso, todos sabemos.

Na minha opinião, que vale o que vale, há muita coisa que se perde ao olharmos apenas para o lucro de um produto. Perde-se na música que ouvimos, na televisão, cinema e teatro que assistimos e também se perde nas obras que lemos.

A Soma das Partes é o resultado de um sonho, de uma aprendizagem e de uma vontade muito grande de ver no papel a consequência do esforço e do talento de um conjunto de pessoas.

Trata-se de uma edição de autor, ou seja inteiramente feita pelos seus autores e é também da responsabilidade destes, a distribuição da obra.

É por essa razão que aqui escrevo, se alguém estiver interessado em adquirir este livro (seja por gostar de mim, por gostar do que escrevo ou por achar um livro interessante). Pode fazê-lo através de mensagem privada ou pelo telemóvel, para quem tiver o meu número.

Terá um preço simbólico, que reverterá para duas “causas”:

- A primeira, eu! Gostava de tirar um curso de escrita de viagens, e vou aproveitar para investir nisso.

- A segunda são os meninos e meninas da Terra dos Sonhos: http://www.terradossonhos.org/, instituição para a qual pretendo doar metade do lucro angariado.

Não posso terminar, sem agradecer, porque se não fosse por certas pessoas, eu não tinha acreditado, eu não tinha continuado a fazer o que faço nestes 10 anos de escrita. 

É giro escrever no facebook, é bom ter gostos e comentários. É fantástico alimentar o Asas (http://asasdepapel-inesramos.blogspot.pt/), com as minhas coisinhas, muitas vezes parvas, e saber que de algum modo elas tocam nas pessoas, saber que as pessoas se revêm nas minhas palavras. 

Mas ter o meu nome num livro é totalmente diferente. É um pequeno passo, eu sei. Mas é um motivo muito grande para continuar a lutar pelo que eu quero.

Obrigado aos meus pais, pelo esforço que fizeram e que eu acho que soube aproveitar.

Obrigado aos meus amigos, sei que a opinião de um amigo é sempre subjectiva! Mas são eles a grande razão do meu entusiasmo.

Obrigado às pessoas que eu não conheço pessoalmente, mas que lêem, comentam e divulgam o meu trabalho.

Obrigado por acreditarem nesta louca, que continuará sempre a defender uma teoria simples:

“Eles não sabem, nem sonham, que o sonho comanda a vida, que sempre que um homem sonha o mundo pula e avança como bola colorida entre as mãos de uma criança.”


Bom resto de semana gente boa!