sexta-feira, 4 de abril de 2014

Pausa para a poesia - Banal

Metes esse ar forte, de quem sabe o que quer
No fundo, és um mundo prestes a desmanchar
Desfilas saltos, boa.
Eu sei que estas perto de te afundar
E puxas o cigarro, só para te disfarçar,
Sabes bem, isso não te vai ocupar
E mandas as tuas sátiras cruéis, como se o mundo fosse teu
Jovem, o mundo é meu!
Isto não é teu, nem meu, é geral!
Anda tudo meio acabado, não encares assim, é o normal.
Sê menos pragmática, afinal..
Isto anda tudo mal..
Tudo uma loucura, é viral?
Não me importo, sinto-me entre o bem e o mal.
Entendes?
Merda .. e eu que queria ser banal.