quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Pausa para a crónica - Caros senhorios de uma cidade chamada Lisboa

Caros senhorios de uma cidade chamada Lisboa,

Compreendo que a vida está muito difícil por cá, neste país arruinado.

Não esta a ser fácil para vocês, nem para mim, nem para tantos iguais a nós. Mas o absurdo que vocês cometem quando publicam as vossas casinhas para arrendar e que ainda tem a puta da lata de chamar de renda, é gozar com a cara das pessoas!

É gozar com a minha cara! Por acaso tem alguma ideia como é que eu, uma jovem de 25 anos, solteira, trabalhadora e boa rapariga, pode pagar o que os senhores exigem para deixarem habitar as vossas casinhas? Por acaso fazem ideia de que muitas das vossas exigências são superiores aos ordenados da maioria das pessoas deste país? Por acaso entendem que pedir 500 euros por um t0 podre e que mal lá cabe uma pessoa, devia ser crime? Por acaso entendem que um t1 (supostamente feito a pensar no início de vida e em quem não tem perspectivas de casar e ter família a longo prazo) de 600 euros é um roubo?

Não, não entendem! Não entendem, porque aos senhores só interessa encher o rabinho. Às vezes têm 5 prédios na mesma rua e puxam o preço ao máximo, porque o que interessa mesmo é ganhar. Ganhar com o esforço dos outros, com a necessidade e a dificuldade de quem vai passando mal, vai comendo mal, vai dormindo mal, para vocês, caros senhorios de uma cidade chamada Lisboa, passearem nos vossos belos carros, fazerem férias nas Caraíbas, terem os putos no colégio e serem considerados pessoas de bem.

Por acaso já pensaram que existem pessoas solteiras, com ordenados médios e que tal como as outras, gostavam de ter uma casinha, pode ser pequenina, a sério que pode! Pode chover naquela a parte da cozinha, nós limpamos! A sério! Posso tomar banho sentada? Posso claro! Mas não a pagar uma renda de 300 euros! (Já fui ver uma casa tão pequena, tão pequena que o banho era sentado) A serio! É verdade!

E as anedotas que apanhamos nos sites imobiliários? Casas completamente a cair, que têm rendas na ordem dos 400 euros, os t0 que têm o mesmo preço dos t1 ou t2, é tudo igual para esta gente! As casas modernas, ou seja, casas sem ser em prédios centenários, com 200 escadas para subir? Essas então nem pensar, menos de 600 euros é mentira! Andar de elevador em Lisboa, é só para quem pode!

Pois é caros senhorios, os jovens deste País não conseguem seguir os seus sonhos. Não há trabalho, quando há trabalho compramos um carro a custo ou não compramos como é o meu caso, vivemos até ao 40 anos em casa dos pais ou não vivemos como é o meu caso, compramos casa ou não nos dão empréstimo como é o meu caso, temos paizinhos abastados ou não temos como é o meu caso, pagamos rendas estúpidas ou se não pagamos vivemos em quartos caríssimos que estão próximos do valor de uma renda de uma casa ou vivemos em casas sem as melhores condições como é o meu caso. Muitos foram, aqueles que já partiram, e com razões para isso. É cortar nas nossas Asas todos os dias, é ouvir constantemente um não à realização de uma vida normal.

É pedir muito? Trabalho todos os dias, levanto-me todos os dias com ânimo porque felizmente, faço parte daquela pouca % que tem trabalho. Será pedir muito uma casa digna com uma renda digna que eu possa pagar, sem que para isso tenha que deixar de comer, viver, sonhar? 

Talvez seja, caros senhorios! Neste país e nas vossas mentes doentias com mania da riqueza, nas mentes cruéis de uns governantes atarantados que não fazem a mínima ideia do que é lutar todos os dias.

Porque a nós caros senhorios, às pessoas como eu, as casinhas não nos caíram do céu para que nós as possamos arrendar e sentar o cu, a ver o dinheirinho cair. A nós, as coisas não apareceram feitas, somos nós todos os dias que lutamos para as fazer.

Eu, caros senhorios, sou apenas uma jovem da terra, que veio parar a Lisboa para ter trabalho e que queria apenas uma dessas vossas casinhas para viver. Ah pois, mas isso é pedir muito. Desculpem!

Sem mais assunto,

Valentes caganeiras e solturas, para todos os otários que andam a publicar casinhas com rendas absurdas, pelo menos para pessoas com ordenadinhos e vidas justinhas, com eu!


Inês Ramos