quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Pausa para a crónica – Ama-te mais, porque se não o fizeres, quem o fará?

Até aos 22 anos, eu pesava mais 10 Kg do que actualmente peso, ou seja cheguei a pesar 68 kg, isto num 1.56 cm, é drástico. É certo que nunca fui obesa, e não é a mesma coisa perder 5/10 kg do que perder 30 ou 40 (disso eu não sei falar). Mas acredito que tudo é possível, como força de vontade e disciplina. Dizem os entendidos que 70% do processo de emagrecimento é alimentação, e eu concordo.
Nunca me senti realmente gorda, sempre fiz desporto e isso ajudava a não ter propriamente gordura visível (a chamada banha), mas a verdade é que eu exagerava muito na comida, se não fizesse tanto desporto, na altura, talvez tivesse chegado facilmente a um peso muito superior. Eu sou muito bom garfo e para além disso sou gulosa. O meu problema não é sequer a fast food, passo bem sem ela. A questão é que eu gosto mesmo de comer.

O que vou aqui contar, pouca gente sabe ou pelo menos parecem não saber, eu perdi 10kg em 3 anos e nunca tive aquelas coisas “ estás tão mais magra”, talvez porque tenha sido lento e muito gradual, aposto que tenho amigos próximos que nem se lembram como eu era, que nem notam. Enfim.. deixa-os andar!! :P
A primeira mudança foi sem dúvida a alimentação e a minha maneira de encarar a comida. Hoje eu sei, como controlar o meu apetite, quando posso exagerar e quando devo entrar em modo clean, como eu digo “ semana de limpeza”. 
Não me privo de nada, simplesmente como porcaria menos vezes e reduzi para metade as quantidades das refeições. Durante a semana tento comer o mais saudável possível, para no fim-de-semana cometer um ou outro erro. Tento sempre fazer uma alimentação com base em cozidos e grelhados. 
No verão opto muito pelas saladas, no inverno vou mais para os legumes cozidos. Regra geral janto sopa (sem batata), evito ao máximo fritos, refogados e doces durante a semana. Nos primeiros três meses, eliminei completamente o arroz e a massa, agora como duas ou três vezes por semana. Introduzi a linhaça moída, que meto no iogurte do lanche da tarde, ajuda muito na regulação intestinal. 
Não levo isto como um frete, habituamos o nosso organismo a comer demasiado e mal, agora temos que o habituar a comer menos e de forma mais saudável, e acreditem é uma questão de hábito. Passei a minha adolescência a odiar brócolos, por exemplo, hoje se não comer duas ou três vezes por semana, sinto falta deles. 
Outra coisa que alterei foi a questão dos fritos, tudo o que se possa imaginar (rissóis, croquetes, panados,) normalmente frito, eu faço no forno, não é igual é certo, mas fica bom e é muito mais saudável. Não tenho óleo em casa, se tiver que usar alguma gordura é o azeite. 
Outra coisa que acho que as pessoas pecam muito é nos chamados “ ajudantes de cozinha” toda a gente sabe que os pratos ficam mais saborosos com caldos Knorr, polpa de tomate, massa de alho etc.. mas eu evito, limito-me as especiarias. 
Como passo muito tempo sem comer certas coisas, quando como, sabem 10 vezes melhor! Sim porque comer um bolo/chocolate uma vez por semana ou comer batatas fritas uma vez por mês, não mata ninguém!
A segunda coisa importante e que ajuda muito é o exercício físico, é inevitável e é uma questão de saúde, felizmente vê-se cada vez mais pessoas a correr na rua ou a caminhar. 
Eu sempre fiz desportos colectivos, achava que correr só por correr era uma seca, entretanto começamos a trabalhar e a vida muda. Inscrever-me no ginásio foi das melhores coisas que fiz por mim própria. Faz-me bem, e não é só estético, faz-me bem a saúde e limpa-me a alma. 
Hoje em dia correr 40 minutos a ouvir as minhas músicas, e sem pensar em nada, nem ter ninguém a chatear, é quase uma terapia. 
Não vou dizer que levanto 50 Kg com o dedo mindinho, seria mentira, mas não é esse o objectivo. Há mudanças ainda que pouco visíveis aos olhos dos outros, menos gordura abdominal e lombar, pernas mais definidas, e rabinho mais digno, e isto chega para me motivar.
O meu treino é essencialmente cardiovascular, embora vá introduzindo lentamente exercícios de força, vou 3 a 4 dias ao gym, faço de 1 hora de corrida ou elíptica, e essencialmente muito agachamento e exercícios de perna e glúteos. 
As aulas de grupo são óptimas para quem quer perder peso, embora eu não seja grande adepta, na minha opinião as aulas de grupo são boas para quem está com falta de motivação, felizmente ainda não me aconteceu, e para além disso acho que sou muito descoordenada. 
É no entanto preciso entender, que inscrever no ginásio e ir lá de vez em quando, olhar para os outros, por si só, não emagrece, é necessário doer e muito. 
É preciso muita força de vontade, muito suor e muita motivação. Os instrutores podem ajudar a criar um bom plano de treino, adequado a cada um, além disso a Internet e principalmente a blogosfera brasileira tem óptimas dicas e exercícios. 

Last but not least, é importante fechar a boca e dar às pernas, mas a nossa cabeça é crucial em todo este processo. 
O factor motivação é de extrema importância, pelo menos a meu ver. Infelizmente vai haver sempre alguém a deitar a baixo, vamos ouvir sempre bocas do género “não se nota nada”, “ não noto que emagreceste”, “ vale-te bem a pena andares no ginásio e comeres isso”, “não sei que andas lá a fazer”, se às vezes estas pessoas soubessem que estes simples comentários podem deitar todo um processo por água a baixo, metiam as palavrinhas num sítio que eu cá sei. 
E sabem que mais se ouvirem isto, mandem mesmo as pessoas passear, é a nossa vida pessoal e o nosso corpo, se a balança, a roupa e o espelho nos dizem que estamos a melhorar, as pessoas que vão pastar. 
Em segundo lugar não adianta guiar-se por ninguém, “aquela farta-se de comer e está sempre magra”, este processo não é uma competição com os outros, é uma competição, connosco próprios. 
Acho que temos de aceitar de uma vez por todas que as pessoas tem constituições e metabolismos diferentes, e verdade seja dita, há muita gente que engana, servem-se da roupa para disfarçar e conseguem, principalmente a mulher é perita nisso. 
Eu sei de uns quantos casos de pessoas “que estão muito bem”, vestidas são um 9 ou um 10, sem roupa são um 4,5. :D Pareço um homem a falar!! 
Não é esse o meu objectivo, eu não quero estar bem, quero sentir-me bem, sempre.
É necessário também, parar com as comparações com as celebridades e afins, muitas vezes elas não fazem mais nada da vida do que cuidar do corpo, fora tratamentos, maquilhagem e transformação fotográfica, o nosso caso, não é esse, trabalhamos 8 horas, limpamos, cozinhamos, passamos a ferro, muitas cuidam de marido e filhos, logo também não podemos exigir tanto de nós mesmos. 
E por falar em exigências! Nunca mudem ou façam nada porque alguém quer, ou para agradar alguém, é o nosso corpo e somos nós que decidimos como o queremos. Se for para mudar que seja porque eu quero!!! Ninguém tem o direito de inferiorizar ninguém pelo aspecto físico.
Há quem ainda julgue esta questão do corpo, uma futilidade, eu não acho, sentir-se bem na sua pele é um factor de felicidade. Ninguém gosta de ser gordo, assim como ninguém gosta de ser o trinca-espinhas, e por isso as pessoas tem todo o direito de tentar melhorar. É possível mudar, não deixem que ninguém vos diga, que é impossível. " Para quem tem pensamento forte, o impossível é só uma questão de opinião."

Tendo sempre em atenção que tudo o que é demais, enjoa. Quando isto se torna uma obsessão, as pessoas não precisam só de dieta e ginásio, precisam de ir ao médico. São situações muito complicadas, que envolvem verdadeiros problemas mentais, e ninguém precisa chegar a isso.
Espero que este texto motive alguém. Não esperem um desgosto amoroso, um ponto insuportável, o chegar ao limite, comecem hoje e agora! 

Não podemos fazer as coisas mal durante anos e esperar que tudo mude em um mês. É lento, doí no corpo e na alma, mas vale muito a pena. 

Hoje, como qualquer mulher que se preze, também tenho dias do "horror", o cabelo está péssimo, as calças custam mais a apertar, a roupa que usei a semana passada e que estava perfeita, hoje está horrível, etc.. mulher é assim. 

Mas regra geral convivo bem comigo própria. Gosto do que vejo, não interessa se agrado ou não, porque o meu corpo é a imagem do meu esforço, as minhas pernas são o reflexo das horas que corri, a minha barriga não tem 6 quadradinhos, é pena! mas tem vinco de sorrisos e gargalhadas. 
O mais importante é traçar a meta e trabalhar para ela, demore o tempo que demorar, sem pressas, sem pressão.

Ama-te mais, porque se não o fizeres, quem o fará?