segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Pausa para a crónica – O amor deles e o amor delas


No amor, as mulheres são profissionais; os homens, amadores.”

François Truffaut

Não gosto de guerras de género, porque acho que não se trata de ser homem ou mulher, trata-se de ser ou não, uma pessoa íntegra.

Se depois os homens são mais isto e as mulheres mais aquilo, ainda bem ! Mal seria se fossemos todos iguais.

Tive momentos na minha adolescência, em que achava que havia todas as vantagens em ser homem. Homem tem tudo facilitado, sofre menos preconceito e menos avaliação constante.

Entretanto aprendi a compreender e apreciar, este universo feminino, que da sua maneira meio confusa, é espantoso.

Apesar de não ter paciência para certas coisas do sexo feminino, eu adoro ser mulher e acho que as mulheres são seres muito mais interessantes, sobretudo porque são mais complexos.

Mulher é de forma geral, sinónimo de riqueza, mescla, tonalidades. Homem é neutro, pobre em adornos (no sentido de ser), rectilíneo. E talvez por isso haja entre os dois, um eterno desacordo concordado.

Os homens dizem que não nos entendem, e eu até os percebo. 

Já nós dizemos que não percebemos os homens, e erramos redondamente, nós percebemos! Muitas vezes não queremos é admitir determinada coisa ou aceitar que as coisas não são como gostaríamos que fossem.

Em conversa com um amigo no outro dia, ele disse-me “a mulher ainda não percebeu que comanda tudo”, e na realidade é isso. 

Os homens têm dois modos de ver, ou gostam e querem ou não gostam e não querem, e só!

Nós mulheres, é que temos 1000 maneiras de ver as coisas, a mulher complica!

É isto que eu quero, consigo aceitar estas regras, viver assim, ser “amada” assim? Boa! Vou por aí.

Se não for? Se não me inspirar confiança, se eu quiser mais e melhor ou simplesmente diferente! Adeus e boa sorte.

Parece simples e na verdade é!

Mulher tem uma mania bonita, na minha opinião, bonita MANIA de sentir. Sentir tudo, como se mundo fosse acabar amanhã, tem a mania de fantasiar, mania que quer ser exclusiva, isso é surreal.

Essa ideia, de que se é exclusiva, é quase ridícula. Não quer dizer que não existem pessoas fiéis. Existem poucas, mas ainda há! Mas nós nunca vamos ser exclusivas na vida de ninguém, muito menos para sempre.

Qual é o problema disso!? Até parece que mulher também não compara, não tem preferências, não troca, não se apaixona e desapaixona!

Mulher é trágica, homem é um oceano de calma. Homem disfarça melhor tristeza, mulher é melhor em esconder interesse, a célebre questão de gostar de ser difícil.

Mulher romantiza, idealiza o filme e escreve o final, mesmo sem a história começar. Homem executa, realiza.

Homem sabe o que quer, mesmo que nem sempre o diga, ele sabe. Muitos têm mau carácter ou simples cobardia e não dizem sempre a verdade. Mas a mulher sabe ler entrelinhas, se quiser.

Mulher diz que sabe o que quer, e às vezes muda a meio do caminho, perde-se, dá voltas e voltas.

Trair também não é só coisa de homens! Mulher é vingativa, consegue ser fria e também trai.

A única coisa que nos distingue é que nós não somos tão atraídas pela ideia do sexo, do desejo. Ou pelo menos não é só isso!

Não se trata de matar um desejo, à homem, trata-se de cumprir uma promessa feita entre olhares, da forma romântica, como a mulher gosta de pensar.

Acredito que ainda existam homens românticos e com real vontade de entrar com seriedade numa relação. Mas as mulheres nisso dão-lhes 10 a 0.

Assim com sei que existem mulheres, que são autênticos cubos de gelos, interessadas apenas em sexo. Mas nisso os homens ganham por muito.

As mulheres sonham com príncipes, casamentos, homens fiéis e finais felizes para sempre. Homens não sonham, focam-se nas possibilidades e nos momentos.

Mulher complica, na generalidade! E os homens queixam-se das suas complicações. Se a mulher não complica? Os homens acham-na fácil. Fácil demais.

Todo o homem deseja uma mulher que fale a linguagem deles, mas depois se a encontraram, não sabem lidar com isso. Ou seja, também não se entende!!!

Mas o problema nem é com eles, nós é que temos que ultrapassar essas barreiras do amor. Essas fantasias, completamente contraditórias aos tempos que vivemos.

A mulher moderna está a descomplicar, embora nem sempre da maneira correcta.

Descomplicar não é ser homem, descomplicar é desfazer o nó e as amarras do nosso mundo cor-de-rosa, cheio de príncipes e princesas, que só existem mesmo nos livros e nos filmes.

É isso, a regra é ser sincero, não ter medo de dizer o que se quer!

E ser sincero, isso sim, é que é uma coisa que não é para todos! Não se trata de ser homem ou mulher, trata-se da maior ou menor capacidade para enganar e se enganar.

Se cada um dissesse exactamente o que esta a espera da outra pessoa, se cada um de nós deixasse transparecer exactamente a intenção e o sentimento, perdia-se em cena cinematográfica, mas ganhava-se de certeza em entendimento.


Digo eu!