sábado, 22 de fevereiro de 2014

Pausa para a música - Pedro Abrunhosa

Hoje vou falar de um senhor, chamado Pedro Machado Abrunhosa, nascido no Porto a 20 de Dezembro de 1960.

Na minha opinião, não só um cantor, mas um dos melhores compositores e poetas da actualidade.

Pedro iniciou os seus estudos musicais em 1976, na escola de música do Porto, começando, dois anos depois, o estudo de um novo instrumento: o contrabaixo. De seguida, ingressa no Conservatório de Música do Porto. Em 1981, obtém o diploma em Pedagogia Musical.

Em 1984, aprofunda os estudos de contrabaixo, em Espanha. Nos anos seguintes, lecciona na Escola de Jazz do Hot Club de Lisboa e na escola de Jazz do Porto.

Funda e dirige a Cool Jazz Orchestra, uma banda vocacionada para o Blues, que após três anos viria a dar origem ao grupo Pedro Abrunhosa e a Máquina do Som.

Com os Bandemónio, grava para a multinacional Polygram, o seu primeiro disco, Viagens. O disco Viagens vende mais de 130 mil cópias, chegando à tripla platina. Abrunhosa faz mais de 120 concertos em Portugal e também nos EUA, Brasil, Macau, França e Espanha.

Em 1994, a revista norte-americana Billboard, dá-lhe destaque, o que lhe abre em definitivo as portas da carreira internacional.

Em 1995, lança o maxi-single F.

Em 1996, prepara o seu segundo trabalho, Tempo, com participações especiais de Rui Veloso, Carlos do Carmo e os estrangeiros New Power Generation Horns. O disco atinge a dupla platina na primeira semana.

Se eu fosse um dia o teu olhar, vende mais de 800 mil cópias. Em 1998 é convidado por Caetano Veloso, a realizar um espectáculo conjunto na Expo 98, que viria a bater os recordes de bilheteira.

Compõe entretanto, várias bandas sonoras de êxito como a do filme A Carta de Manuel de Oliveira.

O seu terceiro disco, Silêncio, editado em Novembro de 1999, conta com participações de Caetano Veloso e Nina Miranda que habitualmente trabalha com Radiohead.

Em 2002, o álbum Momento, atinge a dupla platina. Em 2007, lança o álbum, Luz, com o fantástico single “ Quem me leva os meus fantasmas”.

Em 2010, Pedro Abrunhosa, estreia uma nova banda, Comité Caviar, com o álbum Longe.

Mas recentemente, em 2013, lança o álbum, Contramão, com participações do fadista Camané e o cantor de flamengo Duquende.

Muita discussão surge em torno de Abrunhosa, existem muitas pessoas que não apreciam a forma de cantar e a sua música. Na minha opinião, o que ele é enquanto cantor, é discutível. 

O que ele é enquanto músico, compositor, intérprete e poeta, é inquestionável, porque ele é muito bom. Para mim, o melhor a escrever em Portugal, nos nossos dias.

Vou deixar aqui, uma música, que gosto particularmente.

Boa noite de sábado gente!